Sua empresa está preparada para a LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados?

A Lei Geral de Proteção de Dados, que entra em vigor em agosto, estabelece regras de privacidade e segurança. Posso dizer que esse é um dos grandes desafios hoje para empresas de todos os tipos e tamanhos, e também de órgãos públicos. A maioria dos gestores ainda não fez o planejamento adequado para execução dos ajustes necessários para implementar até agosto.

As empresas terão que criar um novo cargo, o DPO, Data Protecion Officer, profissional responsável pelos dados. Os processos terão que ser transparentes. O funcionário terá o direito de saber, por exemplo, quantas pessoas veem a sua folha de pagamento — e por quê. Este ponto tende a ter bastante resistência nos cargos de alta gestão, pois de alguma forma um funcionário abaixo da hierarquia poderá ter mais acesso a informação que um superior.

Os clientes terão o direito de entrar em contato com qualquer empresa ou órgão público e perguntar que dados detêm, que uso fazem e quem os acessa. Se o usuário quiser apagar algum dado ou torná-lo anônimo, também poderá pedir.

Também será obrigatório criptografar os dados armazenados para que, na ocorrência de um vazamento, não seja possível lê-los. E neste ponto é que se concentrarão os maiores custos com TI, pois é necessário alterar inúmeros sistemas que trabalham com tais dados.

Quem não cumprir as regras está sujeito a multas que podem chegar a 2% do faturamento, limitadas a R$ 50 milhões.

Já começou o levantamento para saber o esforço necessário para alteração de sistemas em sua empresa? Está tendo dificuldades para elaborar o mesmo? Já fez, mas precisa de alguém para executar? Entre em contato comigo. Certamente poderei ajudar a cumprir o objetivo e se manter 100% dentro da lei até agosto.

A importância de um bom sistema de BackOffice

No campo do e-commerce temos várias soluções de diversos fornecedores. Em geral, as funcionalidades básicas são atendidas pela maioria, porém quando caímos na prática de operação, quase a totalidade deles deixa a desejar.

Por este motivo alguns negócios estão optando por sistemas desenvolvidos sob medida e/ou sistemas customizáveis. Recentemente um erro operacional de um funcionário ganhou destaque ao provocar a venda de todo estoque de um produto que teve seu preço cadastrado de forma errada.

Todo estamos sujeitos ao erro, portanto ter ferramentas que de forma automática e inteligente levantem suspeitas em qualquer operação que provoque um movimento incomum é de grande importância. Imaginem o prejuízo que empresas tem ao colocar um produto com um preço completamente diferente do real?

O caso em questão comentado acima foi na loja esportiva Centauro. A camisa oficial do time de futebol carioca Vasco foi cadastrada com valor de R$ 19,99 ao invés de R$ 199,99, que era o preço real. Até a mídia deu destaque a este caso, como podemos ver aqui nesta matéria do jornal O Dia – https://odia.ig.com.br/esporte/vasco/2019/03/5629644-loja-de-material-esportivo-erra-no-preco-da-camisa-do-vasco-e-estoque-esgota.html#foto=1.

Não faça economia em sua estrutura de BackOffice. Certamente um bom software teria evitado este e outros prejuízos. É mais um caso em que vemos que o barato saiu muito mais caro.