Google passa a considerar a versão Mobile para indexação e posicionamento nas buscas

O Google anunciou que a partir de hoje passa a posicionar e indexar os sites a partir da versão . Até ontem a versão desktop que era considerada. Com isso sites que não possuem versão mobile ou possuem problemas em sua versão móvel tendem a perder posições no resultado da busca. Abaixo a informação na íntegra:

“Rolling out mobile-first indexing
Posted: 26 Mar 2018 07:57 AM PDT

Today we’re announcing that after a year and a half of careful experimentation and testing, we’ve started migrating sites that follow the best practices for mobile-first indexing.

To recap, our crawling, indexing, and ranking systems have typically used the desktop version of a page’s content, which may cause issues for mobile searchers when that version is vastly different from the mobile version. Mobile-first indexing means that we’ll use the mobile version of the page for indexing and ranking, to better help our – primarily mobile – users find what they’re looking for.

We continue to have one single index that we use for serving search results. We do not have a “mobile-first index” that’s separate from our main index. Historically, the desktop version was indexed, but increasingly, we will be using the mobile versions of content.

We are notifying sites that are migrating to mobile-first indexing via Search Console. Site owners will see significantly increased crawl rate from the Smartphone Googlebot. Additionally, Google will show the mobile version of pages in Search results and Google cached pages.”

Entre em contato comigo para validar se seu site está pronto para performar bem nesses novos parâmetros. Tenho certeza que a Um Publicidade pode ajudar seu negócio a ter mais visibilidade!

Renan Viegas
[email protected]
http://umpublicidade.com.br

Preparado para as mudanças na busca do Google?

Constantemente o Google promove mudanças em seu sistema de busca. Estas mudanças vão desde os critérios para posicionamento de um site no buscador até detalhes de como o resultado da busca é apresentado.

No ano passado passaram a dar prioridade a sites que possuam versão mobile. Pouco tempo depois passaram a considerar o tempo de carregamento como fator de peso, sendo 2 segundos o tempo chave para sites de e-commerce.

Falando da apresentação dos resultados, recentemente entrou em produção um novo recurs de exibição chamado Galeria. Os sites que possuem receitas, avaliações, eventos e produtos podem disponibilizar dados que são utilizados por este recurso para a exibição conforme a imagem acima deste texto.

Manter sempre seu site atualizado com todos os recursos disponíveis no Google significa estar sempre na frente de seus concorrentes. Quem está na vanguarda aproveita as novidades e ganha destaque nos resultados, consequentemente aumentando sua visitação.

Então, pronto para manter seu site constantemente atualizado com as mudanças? Não? Entre em contato com a Um Publicidade ou diretamente comigo:

Renan Viegas
Skype: renanviegas
E-mail: [email protected]

Google lança na surdina ferramenta nutricional

Que tal comparar o valor nutricional de uma maçã com uma pera? Pois bem, isso ficou mais fácil com a ajuda do Google!

Escreva na busca: “compare apple and pear” e veja o resultado.

https://www.google.com.br/?gfe_rd=ctrl&ei=YnEzU_j4L8uW8QewsoAw&gws_rd=cr#q=compare+apple+and+pear

Interessante, não?

Graph Search – O novo recurso do Facebook

Mark Zuckerberg comentando sobre...

Mark Zuckerberg, o fundador e frontman do Facebook anunciou na tarde de hoje (15/01/2013) em um evento o novo recurso de buscas da ferramenta: o Graph Search. Com isso a partir de agora usuários poderão pesquisar por palavras-chave e fazer consultas por posts e informações compartilhadas por outros usuários da rede. As pesquisas serão feitas por um algoritmo próprio do Facebook.

Mark Zuckerberg...

As buscas poderão ser feitas em forma de perguntas específicas à rede social, como por exemplo, quais amigos vivem em determinada cidade, quais fotos eu tirei com tal contato, quais restaurantes recomendados pelos meus colegas estão localizados na cidade em que estou.

Mark Zuckerberg ...

Ainda segundo Zuckerberg, que apresentou o evento em Menlo Park, também será possível combinar mais de uma pesquisa, como quais de seus amigos vivem no Rio de Janeiro e gostam de Futebol, por exemplo. A função foi criada pela dupla de engenheiros Tom Stocky e Lars Rasmussen.

Mark Zuckerberg ...

Diferentemente de uma busca comum na internet, ele não fornecerá links diretos para as pesquisas feitas dentro da rede social, mas usará as preferências e posts dos contatos do usuário para chegar a respostas. Por exemplo, numa busca sobre um restaurante chinês, os resultados serão a partir de locais onde os contatos do usuário fizeram check-in. A busca por uma música ou game seguirá lógica semelhante. Cada pesquisa feita na nova ferramenta terá sua própria configuração de privacidade e a maioria do conteúdo não é público.

A Graph Search estará em constante mudança, com 1 bilhão de usuários, 240 bilhões de fotos, e 1 trilhão de conexões dentro do Facebook, que crescem aos trilhões todos dias.

No momento, a Busca Social está disponível somente em inglês, e o usuário poderá pesquisar apenas um limitado conjunto de conteúdo no Facebook. Publicações e ações do Open Graph (por exemplo, reproduções de músicas) não estão disponíveis, e a equipe de desenvolvimento vai trabalhar para expandir os parâmetros nos próximos meses. Resta saber o que será disponibilizado pela API para Apps e Páginas.

6 razões para utilizar Big Data

O conceito Big Data vem ganhando importância nos últimos anos. Com a crescente coleta de informações e a necessidade de produzir dados para apoiar decisões cada vez mais precisas, bancos de dados convencionais por si só não vem atendendo a demanda de capacidade para interpretar e gerenciar tal volume enorme de dados.

Áreas como a militar, médica, científica, meteorológica, biológica, biofísica, física, bioquímica, ambiental, econômica, genômica e geológica foram as primeiras a esbarrar com as limitações de capacidade de processamento de dados com bancos de dados convencionais. Terabytes de dados com demanda de processamento em um intervalo mínimo de tempo se tornou um desafio que somente a tecnologia Big Data pode atender. Esta análise pode produzir visões sobre tendências de mercado, prevenir doenças, correlacionar assuntos jurídicos, determinar melhores rotas logísticas, dentre outras aplicações.

Captura, curadoria, armazenamento, busca, análise e visualização são os seis pilares básicos para determinar se você precisa adotar esta tecnologia.

Você ou sua empresa enfrentam problemas similares? Então este é o momento de iniciar a implantação de Big Data em seu negócio.