Tópicos: Negócios

O episódio da caverna – se fosse no Brasil

Doze meninos e seu treinador ficam presos em uma caverna no Brasil. Comoção geral. O Congresso vota um repasse emergencial de R$140bi para o resgate.

Para executar isso, instituem a ANARCAV (Agência Nacional de Resgate em Cavernas). Governadores criam as Secretarias Estaduais de Resgate em Cavernas (CAVERRJ, CAVERSP, CAVERMG, etc).

Com o repasse, iniciam uma contratação emergencial para cavar o túnel e derrubar a montanha. A oposição denuncia irregularidades e cria a CPI das Cavernas. A PF inicia a operação Neanderthal. O TRF manda prender a caverna, e Gilmar Mendes a solta.

Uma ex-BBB tira selfie nua na frente da caverna, viraliza na web, se torna a MC Cavernosa e lança o hit do Carnaval “Entra Mas Não Sai”. No Encontro da Fátima Bernardes, denuncia a cavernofobia. McDonalds pede desculpas por ter lançado o McFlintstone.

O Sindicav entra em greve geral, pois o repasse não chega e estão sem receber. Junta-se a eles a CUT-CAV e o MSCAV (Movimento dos Sem Caverna). O Governo negocia e tira impostos de pás.

O presidente privatiza as cavernas. Jean Wyllys cospe em Bolsonaro por ele ter falado que caverna boa é caverna soterrada. Pastores vendem pedras ungidas da caverna por R$800,00/Kg.

Passados 80 meses, todos ainda estão na caverna.

Qualquer um que faça negócios com o meio governamental no Brasil sabe que isso seria tragicômico.