Preciso desenvolver um aplicativo mobile para meu negócio! Hum… Será?

mobile-tablet-ss-1920

De tempos em tempos recebo na Um Publicidade pedidos de orçamento para o desenvolvimento de aplicativos. Tais solicitações vem de empresas dos mais variados segmentos, desde pequenas empresas planejando um aplicativo informativo institucional até startups querendo desenvolver um negócio completo com base em um aplicativo. Acontece que a maioria não contrata um consultor de negócios, apostando em algo que não sabem se realmente é vantajoso para seu negócio, gastando quantias consideráveis em aplicativos que não vingam.

Luis Collado, diretor na Espanha dos serviços News e Play, apresentou números bem interessantes sobre buscas e aplicativos. O executivo destacou que o Google alterarou seu algoritmo de buscas, que desde abril prioriza os resultados de sites que têm versões adaptadas para smartphones e tablets, depois da mudança significativa do comportamento de uso dos serviços da empresa que passaram a ser acessados principalmente por smartphones e tablets. O diretor do Google advertiu que 80% dos usuários de móveis que entram em um site não adaptado para telefones saem imediatamente da página.

Os aplicativos mais utilizados são os jogos e os de redes sociais. Em média, somente 6 aplicativos instalados são utilizados por 75% dos usuários. Agora o número mais impressionante de todos que foram apresentados é este: 90% dos aplicativos instalados são abandonados um mês depois de terem sido baixados. O famoso índice de download de aplicativos é uma métrica totalmente furada para definir o sucesso de uma aplicação.

Na grande maioria dos casos, ter um site projetado para smartphones e tablets é o suficiente para interagir com seu usuário. Se seu negócio não envolve streamming de áudio ou vídeo e algumas outras funcionalidades que necessitam de sensores especiais (GPS, NFC, entre outros), provavelmente o desenvolvimento de um aplicativo é algo supérfulo. Um aplicativo básico, de qualidade, desenvolvido para as plataformas Android e IOS não sai menos de R$ 18.000,00. Com este orçamento é bem provável que você consiga adequar seu site para dispositivos mobile e ainda sobre uma receita para investir em divulgação.

Sabe aquela proposta mirabolante que sua agência de publicidade falou ou que uma consultoria de TI lhe enviou para desenvolver um aplicativo que irá provocar um boom de clientes para seu negócio? Mais fácil acreditar em papai noel.

Conte com a Um Publicidade para traçar sua estratégia digital e otimize seus investimentos. Entre em contato conosco.

Um Publicidade
Telefones: (21) 4042-5635 / (11) 3230-9898 / (31) 4042-5044
Skype: umpublicidade
http://www.umpublicidade.com.br

Xiaomi e Microsoft

Microsoft e Xiaomi estão testando uma nova abordagem frente ao Google que consiste na possibilidade de mudança de Android para Windows 10 nos aparelhos da fabricante Xiaomi, líder de mercado na China. Oferecido inicialmente sem custo para um seleto grupo de usuários, o sistema é disponibilizado na forma de ROM, que pode ser instalado no telefone substituindo o sistema Android. Xiaomi está em franca expansão mundial, inclusive contando com escritório no Brasil.

Aguardemos cenas dos próximos capítulos.

Seu site está realmente funcional?

A pergunta título desta postagem é a que costumo fazer para pessoas e empresas que tenho contato. A maioria responde: sim, eu fiz um site tem uns 4 anos que está uma maravilha. Pois bem, no momento posterior a resposta costumo acessar o mesmo pelo celular e pelo tablet e sabem o que acontece? Em quase todos os casos o site aparece todo torto, sem possibilidade de navegação utilizando os dedos, dentre outros problemas.

Pequenas, médias e grandes empresas já possuem em sua maioria sites. Alguns interessantes e robustos, mas que foram feitos para serem acessados em um PC desktop ou notebook, e não foram otimizados para o estilo de vida móvel do funcionário e do cliente da atualidade. Essa falta de adaptação cria uma experiência negativa para o usuário, que tenta obter informações e até contratar serviços mas não consegue por barreiras tecnológicas de dispositivos móveis, sejam elas conexão ou mesmo falta de suporte mobile.

O tráfego móvel global já representa 29% de todo o tráfego de internet – e está crescendo a cada ano, sendo que no Brasil já passamos de 47%, sendo que um novo segmento começa a ganhar volume: o de SmartTV. Já passou da hora de pensar no design de conteúdo online para dispositivos diferentes de desktop e notebook.

O design responsivo não é nenhum bicho de sete cabeças, mas você precisa estar atento às necessidades desse segmento em rápida mudança – sem estourar seu orçamento de TI. Diferentes dispositivos têm diferentes resoluções de tela, tamanhos e capacidades de navegação. Um site utilizando design web responsivo adapta o layout de acordo com o ambiente de visualização, seja um dispositivo portátil como um smartphone, monitor de um computador desktop ou mesmo de SmartTV. A navegação no site deve ser ajustada de uma funcionalidade de mouse e teclado para uma que permita ao usuário interagir através da tela de toque do celular, tablet ou TV. Um site que não seja otimizado para dispositivos móveis em breve não terá uso para seus clientes. Sites precisam poder ser vistos em diversas plataformas, sem sacrificar a experiência e sem sobrecarregar os desenvolvedores.

Se você der a seus visitantes uma experiência consistentemente boa em qualquer dispositivo, existe uma grande chance de conseguir retê-los como usuários e possivelmente convertê-los em clientes. Já o contrário… Bom, acho que nem preciso completar a frase.

Então, que tal parar de perder novos usuários e clientes? Entre em contato para contratar a auditoria web, que irá levantar os pontos fracos em seu site, possibilitando assim sucesso total com seus clientes.

Testes – A importância em um projeto

Na indústria de software, o processo de testes é algo que normalmente não tem a importância devidamente merecida. Apesar do surgimento de metodologias de desenvolvimento baseadas em teste nos últimos anos, grande parte da indústria na verdade não adota testes mínimos necessários para garantir a qualidade de uma aplicação, seja ela desktop, mobile ou web.

Hoje por acaso estava navegando em um site de uma empresa que produz canetas inteligentes e, depois de ter me interessado por um modelo, resolvi clicar no ícone de compra.

Listagem de produtos do site da Livescribe

Qual foi minha surpresa ao cair em uma página desfigurada. Como a empresa sempre me passou uma imagem séria e já está no mercado tem anos, imaginei: ok, deve ser mais um daqueles sites que só funcionam no IE. Perplexo mas já acostumado com esta realidade, lá fui eu para o Internet Explorer para tentar concluir minha compra. Qual foi minha surpresa? Nada também! Ou seja, por causa da falta de testes no desenvolvimento esta empresa não está vendendo seu produto.

Processo de compra da Livescribe com erro

Por mais que a fase de testes seja um custo a mais no projeto, tanto de tempo quanto financeiro, negligenciar esta fase em muitos casos pode significar prejuízo.

Será cloud a solução para sua infra ou mais um problema?

O assunto do momento é Cloud (Nuvem). Antes adotada só por entusiastas, tal tecnologia ganhou o status de blueprint por conta de marqueteiros e vendedores de serviços de TI. Apesar de numerosas vantagens, é preciso ter cautela com aplicativos e armazenamento em nuvem.

Apontado como o modelo queridinho de dez entre dez especialistas em tecnologia pela mídia, acontecimentos recentes em dois dos maiores fornecedores de serviços neste modelo, Google e a Amazon, causaram prejuízos para seus clientes. Link com problemas, servidor de DNS com problemas, erro operacional dos fornecedores e outros mais.

Imagina a situação em que, para concluir um negócio, você depende de um arquivo que está em um servidor como o Google Drive, ou no AWS da Amazon, e, por conta de uma falha fornecedor do serviço ou de sua rede, você fica sem acesso durante 8 horas? Nos dias de hoje, até questões de minutos podem inviabilizar uma venda, detonar uma negociação em curso ou até provocar um erro monstruoso em uma linha de produção industrial por uma informação faltante, por exemplo.

Além de todos os fatores acima, a proteção e backup dos dados contra a ação de hackers é algo que você ou sua empresa não podem ter grandes garantias. A partir do momento que você contrata um serviço no modelo de Cloud, as políticas de segurança e profissionais com acesso aos dados são definidos pelo fornecedor.

Cloud tem suas vantagens, mas depender 100% dela é suicídio. Alguns gestores estão comprando soluções ignorando princípios básicos de disponibilidade e segurança. A solução ideal para infra é um modelo híbrido, onde em uma eventual falha, a operação de seu negócio se mantenha íntegra.

Deixo aqui meu alerta: confiar cegamente no ambiente cloud e seus fornecedores, nunca!

O futuro da Nokia

Rumores surgiram esta semana sobre uma possível compra da divisão de telefonia da Nokia pela Microsoft. Analisando os últimos movimentos da fabricante, tudo indica que este caminho vem sendo preparado desde o abandono do Meego e do Symbian em prol do WM7.

Seria este um bom negócio para a Nokia, para Microsoft ou para ambas?

Particularmente acho que quem ganha nesta negociação é a Microsoft. A Nokia é uma peça chave para uma empresa que pretende avançar em um mercado que cada vez mais converge no mobile, utilizando a base de conhecimento de um grande fabricante. Nos últimos meses, o Android vem tomando um mercado voraz que prejudicou bastante o resultado financeiro da Nokia.

Para os acionistas da Nokia, a negociação chega no tempo exato para gerar uma boa capitalização e deixar o desafio de enfrentar a Apple e o Google para um player que tem um histórico interessante de enfrentamento, mas precisa melhorar e muito sua estratégia para fazer frente aos big players atuais.

Será que a Microsoft vai conseguir? Confesso apostar poucas fichas neste sucesso. Veremos!

Sencha Touch – Framework para desenvolvimento de aplicações para Iphone, Ipad e Android

Sencha Touch é um dos primeiros frameworks de desenvolvimento construído especificamente para dispositivos touch utilizando como base as tecnologias HTML5, CSS3 e Javascript. Com alto grau de potência e flexibilidade, a ferramenta permite facilitar o processo de desenvolvimento.

Confira o vídeo abaixo:

Sencha Touch
http://www.sencha.com/products/touch/