Seu Android foi Hackeado?

Qualquer um que possua uma versão antiga do Android pode estar infectado com o Malware Gooligan. Dados apontam que mais de 13.000 aparelhos com Android são infectados por este Malware todos os dias, colocando em risco dados privados de mais de 1 milhão de usuários.

Aplicativos baixados da Play Store que estão invectados exibem propagandas e links que permitem os hackers acessar dados do Gmail, Drive e Photos. Algumas denúncias apontam que também são realizadas compras na Play Store e postagem de reviews na mesma.

Qualquer usuário que utilize um equipamento (celular ou tablet) que rode Android nas versões 4 e 5 — incluindo Jelly Bean, KitKat e Lollipop — possuem grande risco. Levantamentos indicam que estas versões respondem por 75% dos equipamentos Android em uso.

Uma empresa chamada Check Point desenvolveu uma ferramenta para checar se a conta Google está na lista de contas infectadas. Para verificar, acesse: https://gooligan.checkpoint.com/

O fracasso dos SmartWatches

Passados alguns anos do lançamento dos primeiros SmartWatches, parece que o mercado deste tipo de produto não vingou. O Android Wear, sistema operacional da Google desenvolvido para os relógios de pulso, vendeu poucas unidades. A plataforma da Apple também não emplacou.

A maioria dos equipamentos não é um dispositivo autônomo. Suas funcionalidades são em grande parte completadas pelo processamento de um Smartphone. Isso faz com que os smartwatches se tornem acessórios pouco úteis, pois deixam de ser inteligentes para se tornarem apenas uma extensão cara dos celulares.

A falta de características inovadoras e recursos que realmente fazem o usuário reconhecer o dispositivo como algo essencial não fazem dele um dispositivo arrasador. As funções que realmente chamam a atenção já estavam presentes em pulseiras fitness.

E, para completar, um grande vilão dessa tecnologia é a bateria. Relógios normais levam anos para se precisar trocar a bateria, enquanto os smarts, precisam ir para tomada praticamente todo dia.

Huawei e LG, que também tentaram entrar nesse mercado já desistiram. Motorola parece ser a próxima. E a Apple?

Preciso desenvolver um aplicativo mobile para meu negócio! Hum… Será?

mobile-tablet-ss-1920

De tempos em tempos recebo na Um Publicidade pedidos de orçamento para o desenvolvimento de aplicativos. Tais solicitações vem de empresas dos mais variados segmentos, desde pequenas empresas planejando um aplicativo informativo institucional até startups querendo desenvolver um negócio completo com base em um aplicativo. Acontece que a maioria não contrata um consultor de negócios, apostando em algo que não sabem se realmente é vantajoso para seu negócio, gastando quantias consideráveis em aplicativos que não vingam.

Luis Collado, diretor na Espanha dos serviços News e Play, apresentou números bem interessantes sobre buscas e aplicativos. O executivo destacou que o Google alterarou seu algoritmo de buscas, que desde abril prioriza os resultados de sites que têm versões adaptadas para smartphones e tablets, depois da mudança significativa do comportamento de uso dos serviços da empresa que passaram a ser acessados principalmente por smartphones e tablets. O diretor do Google advertiu que 80% dos usuários de móveis que entram em um site não adaptado para telefones saem imediatamente da página.

Os aplicativos mais utilizados são os jogos e os de redes sociais. Em média, somente 6 aplicativos instalados são utilizados por 75% dos usuários. Agora o número mais impressionante de todos que foram apresentados é este: 90% dos aplicativos instalados são abandonados um mês depois de terem sido baixados. O famoso índice de download de aplicativos é uma métrica totalmente furada para definir o sucesso de uma aplicação.

Na grande maioria dos casos, ter um site projetado para smartphones e tablets é o suficiente para interagir com seu usuário. Se seu negócio não envolve streamming de áudio ou vídeo e algumas outras funcionalidades que necessitam de sensores especiais (GPS, NFC, entre outros), provavelmente o desenvolvimento de um aplicativo é algo supérfulo. Um aplicativo básico, de qualidade, desenvolvido para as plataformas Android e IOS não sai menos de R$ 18.000,00. Com este orçamento é bem provável que você consiga adequar seu site para dispositivos mobile e ainda sobre uma receita para investir em divulgação.

Sabe aquela proposta mirabolante que sua agência de publicidade falou ou que uma consultoria de TI lhe enviou para desenvolver um aplicativo que irá provocar um boom de clientes para seu negócio? Mais fácil acreditar em papai noel.

Conte com a Um Publicidade para traçar sua estratégia digital e otimize seus investimentos. Entre em contato conosco.

Um Publicidade
Telefones: (21) 4042-5635 / (11) 3230-9898 / (31) 4042-5044
Skype: umpublicidade
http://www.umpublicidade.com.br

Google implanta processo de aprovação de aplicativos

O Google alterou sua política de publicação de aplicativos na Play Store. Até o momento os aplicativos não passavam por um processo de aprovação e os mesmos só eram retirados do Marketplace quando eram denunciados por violar alguma das regras.

Esta decisão afeta todo o processo comercial atual, pois desenvolvedores terão acrescentar em seu cronograma mais uma fase, esta com duração variável.

Se de um lado esta decisão pode atrapalhar negócios, por outro pode aumentar a aceitação do sistema operacional, pois com a introdução deste processo a tendência é que a segurança e qualidade dos aplicativos aumente.

Em conjunto com esta mudança o Google também introduzirá classificação etária para os aplicativos. Baseado em uma série de perguntas, a empresa irá estabelecer a classificação etária utilizando padrões internacionais elaborados por organizações como a International Age Rating Coalition (IARC). A empresa irá adotar classificações genéricas para países que não possuem classificações etárias oficiais.

Xiaomi e Microsoft

Microsoft e Xiaomi estão testando uma nova abordagem frente ao Google que consiste na possibilidade de mudança de Android para Windows 10 nos aparelhos da fabricante Xiaomi, líder de mercado na China. Oferecido inicialmente sem custo para um seleto grupo de usuários, o sistema é disponibilizado na forma de ROM, que pode ser instalado no telefone substituindo o sistema Android. Xiaomi está em franca expansão mundial, inclusive contando com escritório no Brasil.

Aguardemos cenas dos próximos capítulos.

Que tal editar fotos direto no celular?

Muitas vezes tiramos fotos no celular mas, seja pela iluminação, posicionamento, entre outros, o resultado não fica legal. E se está distante de um computador e precisa fazer algum ajuste na foto, essa dica é essencial! Trata-se do Pixlr Express, um aplicativo para celular análogo ao famoso Photoshop da Adobe.

O aplicativo, da Autodesk, reúne uma boa gama de recursos para edição rápida de fotos. Eles estão agrupados em quatro categorias: ajustes, efeitos, molduras e sobreposições. Esta última categoria permite sobrepor gráficos – como desenhos de fogos de artifício e manchas – à foto.

Pixlr Express
Grátis, em inglês, para Android e IOS (IPhone / IPad)
IOS – https://itunes.apple.com/br/app/pixlr-express-plus/id526783584?mt=8
Android – https://play.google.com/store/apps/details?id=com.pixlr.express

Usa muito aeroportos? Fique atento a este dica!

Se você viaja muito de avião, sabe como é ruim chegar em um aeroporto que não conhece e não ter noção de locais para comer, entre outros. Uma dica muito boa de aplicativo é o Aeroperto. O aplicativo, da Infraero, informa ao viajante sobre coisas que ele pode fazer enquanto aguarda a hora do voo. Ele lista bares, restaurantes e atrações turísticas em torno de aeroportos brasileiros. Em alguns casos, podem-se ver avaliações do site TripAdvisor.

2 3
4 5

Aeroperto
Grátis, em português, para Android e IOS (iPhone)
IOS – https://itunes.apple.com/br/app/aeroperto/id792814906?mt=8
Android – https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.agenciaclickisobar.infraero.aeroperto

CES 2013 – O paraíso dos entusiastas de tecnologia

Considerada uma das mais importantes feiras mundiais de tecnologia, a CES (Consumer Electronics Show). A feira, que ocorre em Las Vegas, começou nesta terça e como sempre trouxe várias novidades. Fabricantes como Qualcomm, Panassonic, Kingston, Samsung, LG e uma infinidade de “desconhecidos” chineses estão exibindo suas apostas em produtos e tecnologias para um público de potenciais compradores corporativos, jornalistas, entusiastas e curiosos.

Os pontos fortes deste ano são produtos contectados, desde simples gadgets até linhas completas de eletrodomésticos e carros. Projetores, novos processadores Tigra 4 da NVidia, câmeras com Android e é claro, os campeôes de vendas mundias – os tablets – também tem presença forte no evento.

Uma das tecnologias mais apostadas na edição do ano de 2012 simplesmente não vingou: a TV 3D. Com uma baixa aceitação de mercado, poucas vendas e produção de conteúdo, a tecnologia se mostrou ainda a frente de seu tempo. Assim como Tablets, que tiveram uma tentativa comercial de mercado nos anos 90, com apostas da Apple (Newton) e outros fabricantes, acredito que a tecnologia 3D ainda vá vingar, mas em um médio prazo.

No campo televisivo, a aposta atual está em resolução. Inúmeros fabricantes estão exibindo produtos com resolução 4k (bem superior a Full HD que conhecemos).

Para quem não está por dentro, vale uma visita aos principais sites de notícias internacionais e nacionais. A quantidade de produtos é extensa, assim como as tecnologias utilizadas.

Google – O lado obscuro da empresa

No último trimestre de 2011 fui surpreendido com a suspensão de minha conta no Google AdSense. Possuia alguns sites, todos enquadrados na então política do produto e, após enviar um e-mail reclamando que não havia recebido a comissão que deveria, tive a conta suspensa sem explicação alguma. Comportamento estranho, não? Principalmente que, pelo fato de terem suspendido minha conta, segundo o “contrato” do produto, não seriam mais obrigados a pagar o que deviam. Seria uma forma suja de dar calote? Por incrível que pareça, pelo tamanho da empresa e sua fama, parece que sim.

Durante algumas pesquisas na web encontrei vários relatos de usuários com o mesmo problema, principalmente do Brasil. Alguns não chegaram a ter suas contas suspensas, mas estranhamente suas comissões, que em tinham um valor X de média nos últimos meses, caíram para menos de 10% do valor usual.

No meu caso a quantia não justifica os custos jurídicos para um embate, mas certamente os prejudicados com quantias maiores deveriam processar a empresa.

Durante minha busca encontrei também outras situações que revelam um comportamento nada ético da emrpesa. O PayPal, um big player de sistema de pagamentos presente inclusive no Brasil, abriu recentemente um processo contra o Google por conta de roubo de informações (https://www.thepaypalblog.com/2011/05/paypal-files-lawsuit-to-protect-trade-secrets-a-reason-worth-fighting-for/). Já o Buscapé, o maior player nacional de ferramentas de comparação de preço, processou o Google por concorrência desleal (http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI5530316-EI15608,00-Buscape+processa+Google+por+igualdade+nas+buscas+no+Pais.html).

Hoje me deparei com um post bem interessante falando de problemas com relação a aplicativos na loja do Android que simplesmente somem sem explicação (http://www.googez.com/2011/12/google-taking-off-apps-from-the-market-without-warning/). Ainda não tive contato com nenhum dos afetados mas imagino que o mesmo golpe esteja sendo praticado.

Sou cliente do Google, possuo serviços grátis e serviços pagos contratados. Não deixarei de utilizar os mesmos, mas desde então tenho backup de tudo.

Diante destes episódios aprendi uma lição: nunca confie em uma empresa pois, por mais segurança que a uma marca traga, por trás podem existir políticas não muito éticas.

O futuro da computação pessoal

FXI Cotton Candy i2

FXI Cotton Candy i2

No dia 17/11/2011 a empresa norueguesa FXI apresentou um protótipo de um computador embarcado em um pequeno dispositivo USB. O dispositivo conta com cum processador ARM dual-core 1.2-GHz Samsung Exynos (o mesmo que o Galaxy S II), rede wi-fi 802.11n, Bluetooth, saída HDMI e compartimento para microSD.

Apelidado de Cotton Candy por causa de seu peso (apenas 21 gramas), o pequeno computador permite transformar qualquer TV em um computador com poder de processamento satisfatório. O Cotton Candy possui um conector USB 2.0 de um lado e um conector HDMI de outro. Quando conectado a uma TV ou qualquer outro dispositivo HDMI, ele utiliza esta porta para saída de vídeo e a porta USB para energia. A conexão com teclado e mouse ocorre via Bluetooth. O dispositivo utiliza o padrão 1080p para exibição de imagens e vem carregado com o sistema operacional Android 2.3.

Será que em breve carregaremos nosso computador no chaveiro? É, a aposta é uma grande tendência.