Seu Android foi Hackeado?

Qualquer um que possua uma versão antiga do Android pode estar infectado com o Malware Gooligan. Dados apontam que mais de 13.000 aparelhos com Android são infectados por este Malware todos os dias, colocando em risco dados privados de mais de 1 milhão de usuários.

Aplicativos baixados da Play Store que estão invectados exibem propagandas e links que permitem os hackers acessar dados do Gmail, Drive e Photos. Algumas denúncias apontam que também são realizadas compras na Play Store e postagem de reviews na mesma.

Qualquer usuário que utilize um equipamento (celular ou tablet) que rode Android nas versões 4 e 5 — incluindo Jelly Bean, KitKat e Lollipop — possuem grande risco. Levantamentos indicam que estas versões respondem por 75% dos equipamentos Android em uso.

Uma empresa chamada Check Point desenvolveu uma ferramenta para checar se a conta Google está na lista de contas infectadas. Para verificar, acesse: https://gooligan.checkpoint.com/

O fracasso dos SmartWatches

Passados alguns anos do lançamento dos primeiros SmartWatches, parece que o mercado deste tipo de produto não vingou. O Android Wear, sistema operacional da Google desenvolvido para os relógios de pulso, vendeu poucas unidades. A plataforma da Apple também não emplacou.

A maioria dos equipamentos não é um dispositivo autônomo. Suas funcionalidades são em grande parte completadas pelo processamento de um Smartphone. Isso faz com que os smartwatches se tornem acessórios pouco úteis, pois deixam de ser inteligentes para se tornarem apenas uma extensão cara dos celulares.

A falta de características inovadoras e recursos que realmente fazem o usuário reconhecer o dispositivo como algo essencial não fazem dele um dispositivo arrasador. As funções que realmente chamam a atenção já estavam presentes em pulseiras fitness.

E, para completar, um grande vilão dessa tecnologia é a bateria. Relógios normais levam anos para se precisar trocar a bateria, enquanto os smarts, precisam ir para tomada praticamente todo dia.

Huawei e LG, que também tentaram entrar nesse mercado já desistiram. Motorola parece ser a próxima. E a Apple?

A importância das métricas certas

Blank Video Project

Muitas vezes durante reuniões de prospecção ou alinhamento com clientes ouço os famosos comentários:

“Olha a quantidade de likes dessa página no Facebook”
“Este vídeo tem mais de um milhão de visualizações”
“Esta foto no Instagram recebeu várias curtidas”

Para muitos, isto é métrica. Mas o fato é que não é. Este número não tem conexão direta com o engajamento de audiência.

Uma agência internacional resolveu fazer uma prova de conceito para jogar por terra esses argumentos. A Solve criou um vídeo completamente em branco e conseguiu mais de 100.000 views no YouTube. São 4 minutos de tela em branco. Não acredita? Veja aqui: https://www.youtube.com/watch?v=RYMtNqiVMBI.

Canso de ver no mercado empresas e profissionais (até alguns “renomados”) citando views e likes como o Santo Graal. O experimento da Solve provou que até o menos criativo dos vídeos consegue viralizar – disse o CEO John Colasanti em uma entrevista.

O Blank Video Project foi divulgado como anúncio pre-roll no YouTube para a audiência norte-americana. Depois de 5 segundos podia ser pulado, e a agência foi cobrada quando um usuário assistiu a pelo menos 30 segundos do conteúdo. No final das contas, o vídeo gerou mais de 100.000 visualizações por um investimento de apenas USD 1,400 – foi exibido 227.819 vezes, o que significa que cerca de 46% assistiram a pelo menos 30 segundos. Segundo a Solve, a média assistida foi de 61% do vídeo, e 22% assistiram até o final. Como pode-se imaginar, muitas visualizações devem ter sido por engano – acontece quando você coloca para tocar uma playlist, por exemplo, e não permanece no computador –, e ainda assim esses números podem facilmente ser vendidos como prova de engajamento. Para a Solve, a moral da história é que as views são um falso indicador de sucesso e devem parar de ser um fetiche. “A eficiência criativa sempre foi difícil de medir”, diz John – “Muitos profissionais de marketing olham para as visualizações como uma forma rápida e fácil de indicar o poder de um conteúdo. Sozinhas, elas simplesmente não funcionam como métrica absoluta e crítica para medir e comparar a eficiência criativa”.

Então, que tal romper paradigmas comerciais e se preocupar e focar de fato em métricas reais? Conte com a ajuda da Um Publicidade para isso. Entre em contato comigo pelo e-mail [email protected].

Confira o projeto de prova de conceito da Solve citado no texto acima – http://www.solve-ideas.com/portfolio/blank-video-project/

Preciso desenvolver um aplicativo mobile para meu negócio! Hum… Será?

mobile-tablet-ss-1920

De tempos em tempos recebo na Um Publicidade pedidos de orçamento para o desenvolvimento de aplicativos. Tais solicitações vem de empresas dos mais variados segmentos, desde pequenas empresas planejando um aplicativo informativo institucional até startups querendo desenvolver um negócio completo com base em um aplicativo. Acontece que a maioria não contrata um consultor de negócios, apostando em algo que não sabem se realmente é vantajoso para seu negócio, gastando quantias consideráveis em aplicativos que não vingam.

Luis Collado, diretor na Espanha dos serviços News e Play, apresentou números bem interessantes sobre buscas e aplicativos. O executivo destacou que o Google alterarou seu algoritmo de buscas, que desde abril prioriza os resultados de sites que têm versões adaptadas para smartphones e tablets, depois da mudança significativa do comportamento de uso dos serviços da empresa que passaram a ser acessados principalmente por smartphones e tablets. O diretor do Google advertiu que 80% dos usuários de móveis que entram em um site não adaptado para telefones saem imediatamente da página.

Os aplicativos mais utilizados são os jogos e os de redes sociais. Em média, somente 6 aplicativos instalados são utilizados por 75% dos usuários. Agora o número mais impressionante de todos que foram apresentados é este: 90% dos aplicativos instalados são abandonados um mês depois de terem sido baixados. O famoso índice de download de aplicativos é uma métrica totalmente furada para definir o sucesso de uma aplicação.

Na grande maioria dos casos, ter um site projetado para smartphones e tablets é o suficiente para interagir com seu usuário. Se seu negócio não envolve streamming de áudio ou vídeo e algumas outras funcionalidades que necessitam de sensores especiais (GPS, NFC, entre outros), provavelmente o desenvolvimento de um aplicativo é algo supérfulo. Um aplicativo básico, de qualidade, desenvolvido para as plataformas Android e IOS não sai menos de R$ 18.000,00. Com este orçamento é bem provável que você consiga adequar seu site para dispositivos mobile e ainda sobre uma receita para investir em divulgação.

Sabe aquela proposta mirabolante que sua agência de publicidade falou ou que uma consultoria de TI lhe enviou para desenvolver um aplicativo que irá provocar um boom de clientes para seu negócio? Mais fácil acreditar em papai noel.

Conte com a Um Publicidade para traçar sua estratégia digital e otimize seus investimentos. Entre em contato conosco.

Um Publicidade
Telefones: (21) 4042-5635 / (11) 3230-9898 / (31) 4042-5044
Skype: umpublicidade
http://www.umpublicidade.com.br

Xiaomi finalmente inicia as vendas no Brasil

Xiaomi

Em abril noticiei aqui em meu blog a chegada da Xiaomi no Brasil (http://www.renanviegas.com.br/blog/fabricante-xiaomi-iniciara-as-vendas-no-brasil-em-breve/). No dia 7 de Julho a empresa começa a realizar vendas através de seu site.

A empresa promete uma revolução no mercado, oferecendo produtos com alto poder de processamento e ótimas configurações por preços muito competitivos. Um dos modelos mais famosos, o Redmi 2, será vendido por R$ 499,00, valor que é menos de um terço de produtos similares de concorrentes com a especificação parecida.

Será que Hugo Barra vai conseguir bater de frente com a Apple e a Samsung? Aguardemos os próximos capítulos!

Tecnologia – Sua maior aliada, principalmente em tempos de crise

gestao-de-crise

Vivemos um cenário de crise econômica. Várias empresas estão realizando cortes em seu orçamento e enxugando equipes. Nestes momentos alguns investimentos erroneamente são afetados, ocasionando baixa nas vendas. Inovação e marketing são algumas das áreas mais importantes nestes tempos. Elas são áreas essenciais para o processo de comercialização, portanto devem receber grande foco. A tecnologia é a principal aliada neste caso.

Análise comportamental

Acompanhar o comportamento do consumidor quando exposto ao seu produto é tendência. Algumas empresas já fornecem ferramentas para esta análise, mapeando expressões e fornecendo dados que ajudam a monitorar a experiência de seu consumidor com o produto.

O pequeno vídeo abaixo ilustra uma solução de uma empresa chamada Affectiva:

https://www.youtube.com/watch?v=mFrSFMnskI4

Interatividade

Já consolidada no mercado externo mas ainda muito pouco difundida no Brasil, as tecnologias interatividade proporcionam uma experiência completa para seu potencial cliente. Exibir vídeos, iluminar áreas, emitir som, são apenas algumas das mais básicas interações que sua empresa pode proporcionar a seu cliente no momento da compra. Estas ações podem ser disparadas por proximidade, tempo, ou qualquer outro evento que compor a apresentação de seu produto. A Um Publicidade possui alguns vídeos exemplo de aplicações, como o exemplo abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=k192QfFZEog

Então, não acha que está na hora de sua empresa inovar? Entre em contato com a Um Publicidade. Certamente encontraremos uma boa altenativa com custo compatível com seu orçamento.

Um Publicidade
E-mail: [email protected]
Telefones: (21) 4042-5635 / (11) 3230-9898 / (31) 4042-5044
Skype: umpublicidade
http://www.umpublicidade.com.br

Fabricante Xiaomi iniciará as vendas no Brasil em breve

A Xiaomi, empresa Chinesa que já é o terceiro maior player no mercado de SmartPhones, está estruturando sua operação no Brasil. Registrada em maio no país com a razão social Xiaomi do Brasil Tecnologia Ltda, a empresa está com escritório na Vila Olímpia, zona sul da cidade de São Paulo. A fabricante teve seu primeiro smartphone homologado pela Anatel, o Redmi Note 4G. Oficialmente esta é a última barreira no processo de venda de aparelhos no país.

O certificado de conformidade técnica mostra que o Redmi Note 4G é compatível com o 4G usado pelas operadoras brasileiras e deverá ser fornecido com um potente carregador de 2 Amperes para encher a bateria de 3.200 mAh. O documento mostra apenas uma unidade fabril localizada na China, portanto, pelo menos no início, ele não deverá ganhar o benefício fiscal do governo para aparelhos com produção nacional. Porém linhas de produção da Foxconn, que tem fábricas em Manaus, Jundiaí (SP) e Indaiatuba (SP), já estão sendo adaptadas para a produção nacional.

Site em construção aberto para acesso

Site da Xiaomi no Brasil em 08/04/2015

Acessando a URL http://br.mi.com é possível ver um site em construção, com vários textos e produtos de exemplo, links que não funcionam, entre outros. Inclusive os dados da empresa não estão completos, como se pode ver na imagem abaixo:

http://br.mi.com em 08/04/2015

A tomar pela atitude de deixar um site em desenvolvimento aberto para acesso (prática amadora, consequente normalmente de baixo custo de contratação de fornecedores) existe o risco da fama negativa de produtos chineses afetarem em parte as vendas.

No ano passado, a Xiaomi contratou o brasileiro Hugo Barra, então vice-presidente para Android do Google, como seu vice-presidente global. O executivo lidera a expansão do negócio para outros dez países, entre eles o Brasil.

Conseguirá a empresa garantir uma alta penetração no mercado Brasileiro?

Pesquisa de 2015 sobre uso de SmartPhones por Americanos

O Pew Research Center liberou uma pesquisa bastante interessante sobre o uso de SmartPhones por americanos. Veja os principais destaques:

  • 64% dos adultos possuem smartphone (aumento de 35% comparado a pesquisa realizada em 2011)
  • Desse total, 10% possuem smartphones mas não possuem banda larga em casa
  • 15% utilizam o aparelho para acessar a Internet, não utilizando outros meios para contectar a rede (Computador, Notebook, etc)
  • 7% utilizam o aparelho para funções essenciais em suas atividades
  • 15% dos usuários na faixa de 18-29 anos acessam a Internet somente pelo SmartPhone
  • 62% já utilizaram o aparelho para buscar informações sobre saúde
  • 57% utilizam para operações bancárias
  • 44% utilizam para buscar imóveis para compra ou moradia
  • 43% utilizam para buscar empregos
  • 30% utilizam para educação
  • 67% utilizam o para compartilhar fotos, vídeos ou comentários sobre eventos ocorridos em seu bairro / cidade, sendo 35% utilizando com frequência tais funções
  • 56% já utilizaram o aparelho para buscar informações sobre eventos e atividades em sua região, e 18% fazem uso frequente do equipamento para tal atividade
  • 68% utilizam para obter informações sobre acontecimentos e eventos noticiados (acidentes, tempestades, etc), e 33% fazem este uso frequente
  • 67% já utilizaram como GPS para navegação e 31% fazem uso frequente desta função
  • 25% já utilizaram para buscar informações sobre transporte público, com 10% fazendo uso frequentedesta função
  • 54% dizem que o aparelho não é sempre necessário, mas 46% dizem que não conseguem viver sem

Adoraria ter acesso a alguma pesquisa nacional recente contendo as mesmas abordagens.

PDF contendo a pesquisa na íntegra: http://www.pewinternet.org/files/2015/03/PI_Smartphones_0401151.pdf

WhatsApp, Facebook Messenger e mais com custo fixo e uso ilimitado?

Com as recentes mudanças nos planos de acesso a internet das operadoras móveis no Brasil, utilizar o WhatsApp, Messenger e outros aplicativos de chat pelo celular ficou bem mais caro. Pensando neste filão de mercado a empresa ChatSim começou a realizar negociações no Brasil para oferecer seu produto: um chip SIM com acesso ilimitado aos principais aplicativos de chat por um custo fixo anual.

Telegram, WhatsApp, Facebook Messenger, WeChat, Skype, Viber, LINE, Hangouts, iMessage, QQ e muitos outros estão na lista de aplicativos suportados pela empresa. Atualmente, pelo que levantamos, a TIM é a uníca operadora que já negociou suporte ao chip, que é conectado a rede como roamming. O Brasil já consta como um dos países disponíveis http://www.chatsim.com/en/coverage, porém não conseguimos maiores detalhes. Resta saber quando será oficialmente lançado no Brasil.