A compra da Pebble pela Fitbit e a mancha no financiamento coletivo

Depois de rumores publicados pela Bloomberg no dia 7 de Dezembro, um dia após a transação foi confirmada por ambos players (https://www.bloomberg.com/news/articles/2016-12-07/pebble-said-to-discuss-selling-software-assets-to-fitbit). Claramente foi uma operação para matar a Pebble, já que era um player que estava atrapalhando as vendas da Fitbit, e somente os ativos de software foram negociados.

A notícia veio como uma bomba para o mercado de Crowdfunding, já que a Pebble surgiu a partir de um financiamento coletivo pelo Kickstarter e um segundo produto da mesma empresa também estava sendo comercializado pela plataforma. Acontece que o suporte para o produto foi encerrado, assim como sua garantia e as compras do novo modelo foram suspensas e o valor só será devolvido ano que vem.

A importância dos testes

Diferente do que a maioria provavelmente pensou lendo o título, esta postagem não é para falar sobre software ou aplicativos para celular. É um alerta geral para qualquer material desenvolvido, desde textos até sistemas com integrações complexas. Usarei como exemplo um caso real simples.

Recentemente recebi um e-mail marketing de um evento voltado para FinTech no Rio de Janeiro. Abaixo o conteúdo na íntegra:

emailfintech

Como podem perceber, ao fim do e-mail existe uma “assinatura” com supostamente o endereço. Acontece que provavelmente a campanha foi composta para depois substituir os dados mas por um deslize isto não ocorreu, ficando assim:

Conexão Fintech
Nome da Rua, 999 – 99999-999 – Cidade, Estado, Brasil

Neste caso, baseado no target de público e no assunto em questão, a gravidade do erro pode ser considerada pequena. Mas e se fosse o anúncio de um restaurante por exemplo? Como o cliente chegaria no mesmo? Será que ele levaria a sério a mensagem considerando como um simples erro ou já desconfiaria e descartaria?

Se esta campanha tivesse sido testada corretamente este erro seria detectado e devidamente corrigido. A imagem de um negócio, produto ou serviço podem ser destruídas com conteúdos impróprios, margens para interpretações dúbias ou deslizes que em grande parte das vezes seriam detectados com simples verificações. Vide a imagem utilizada neste post.

Localiza + Hertz = Big Player

O mercado de locações de veículos ganha um novo Big Player com a aquisição da Hertz pela Localiza. A Localiza já detinha o título de maior market share, seguida pela recém adquirida Hertz. Com isso 48% do mercado ficam em poder da Localiza a partir de agora.

Distribuição das locadoras no território Brasileiro

Movida, Unidas e outros players de menor porte provavelmente terão maior dificuldade de crescimento com a consolidação de mercado. Apesar disso, a tendência de um crescimento na base de clientes, com a diminuição de compra de veículos tende a equilibrar os números futuros e abrir espaço para expansão de todas as empresas.

As ações da empresa responderam bem ao movimento.

localiza

O novo problema do e-commerce: e-Sedex

Os Correios vão extinguir o serviço e-Sedex a partir de 1º de janeiro de 2017. A notícia pegou o e-commerce de surpresa. O e-Sedex é considerado a principal alternativa para entrega rápida de encomendas no varejo online.

A consequência direta é o aumento de preços no frete e uma redução da qualidade. Quem vai pagar essa conta com os varejistas será o consumidor final. Com isso teremos também uma concentração de mercado, reduzindo o espaço dos pequenos sites. Hoje, sem uma média de cem entregas por dia, você não consegue ter acesso a uma transportadora privada. O fim do e-Sedex prejudica muito os pequenos e médios empreendedores.

Segundo estimativas da ABComm, o preço do frete representa de 6% a 12% do valor pago de um produto adquirido pela web. Quanto menor é a loja virtual, maior o peso do custo da entrega. Sem volume para negociar o frete com transportadoras, o preço pago pelos pequenos empresários é parecido com o cobrado das pessoas físicas.

Preparado para encarar esta nova realidade?

Seu Android foi Hackeado?

Qualquer um que possua uma versão antiga do Android pode estar infectado com o Malware Gooligan. Dados apontam que mais de 13.000 aparelhos com Android são infectados por este Malware todos os dias, colocando em risco dados privados de mais de 1 milhão de usuários.

Aplicativos baixados da Play Store que estão invectados exibem propagandas e links que permitem os hackers acessar dados do Gmail, Drive e Photos. Algumas denúncias apontam que também são realizadas compras na Play Store e postagem de reviews na mesma.

Qualquer usuário que utilize um equipamento (celular ou tablet) que rode Android nas versões 4 e 5 — incluindo Jelly Bean, KitKat e Lollipop — possuem grande risco. Levantamentos indicam que estas versões respondem por 75% dos equipamentos Android em uso.

Uma empresa chamada Check Point desenvolveu uma ferramenta para checar se a conta Google está na lista de contas infectadas. Para verificar, acesse: https://gooligan.checkpoint.com/

O fracasso dos SmartWatches

Passados alguns anos do lançamento dos primeiros SmartWatches, parece que o mercado deste tipo de produto não vingou. O Android Wear, sistema operacional da Google desenvolvido para os relógios de pulso, vendeu poucas unidades. A plataforma da Apple também não emplacou.

A maioria dos equipamentos não é um dispositivo autônomo. Suas funcionalidades são em grande parte completadas pelo processamento de um Smartphone. Isso faz com que os smartwatches se tornem acessórios pouco úteis, pois deixam de ser inteligentes para se tornarem apenas uma extensão cara dos celulares.

A falta de características inovadoras e recursos que realmente fazem o usuário reconhecer o dispositivo como algo essencial não fazem dele um dispositivo arrasador. As funções que realmente chamam a atenção já estavam presentes em pulseiras fitness.

E, para completar, um grande vilão dessa tecnologia é a bateria. Relógios normais levam anos para se precisar trocar a bateria, enquanto os smarts, precisam ir para tomada praticamente todo dia.

Huawei e LG, que também tentaram entrar nesse mercado já desistiram. Motorola parece ser a próxima. E a Apple?

Vulnerabilidade em sites de clientes da Wix.com permite invasão hacker

O site de seu negócio está hospedado no Wix.com? Melhor ler com muita atenção a informação abaixo:

Hoje a publicação InfoWorld noticiou que pesquisadores identificaram uma vulnerabilidade que permite que hackers incluam códigos maliciosos em todos os sites da plataforma Wix.com (clique aqui para ver a notícia). O problema afeta tanto sites simples como sites de ecommerce.

A falha grave não está recebendo a devida atenção pela equipe da empresa, que não tem tomado as providências necessárias para solução. Na matéria publicada inclusive listam que tentaram contato com o suporte da empresa que simplesmente ignorou o e-mail.

Lembre-se: O barato muitas vezes sai é muito caro!

Venha para a Um Publicidade e fuja deste tipo de problema! Entre em contato direto comigo:
Renan Viegas
contato@renanviegas.com.br
Celular: (21) 98374-8413

Como você controla suas vendas?

As melhores práticas de mercado consistem em implementar, analisar e seguir processos para desempenhar da melhor forma a venda de seu produto ou serviço. Acontece que, principalmente para o pequeno negócio e para os novos empresários, nem sempre o correto mapeamento e definição de processos é realizado.

Qualquer negócio para crescer precisa vender. E é justamente nesse ponto que muitos erram sem perceber. Dedicam enorme atenção para a criação de um produto ou serviço mas não dão a devida atenção ao acompanhamento de vendas.

Como você controla suas vendas?

Durante uma pesquisa que a Um Publicidade realizou com pequenos empresários, identificamos que em mais de 80% dos casos não existia um real controle de vendas. Anotações em papel, pequenos tickets e outros recursos bem limitados e sujeitos a falhas eram as soluções adotadas pela maioria dos gestores. Menos de 5% possuíam algum tipo de histórico de vendas.

Os números demonstraram que estes gestores precisam se mover, e de forma rápida, para poder galgar novos patamares.

Existem soluções no mercado para controlar vendas, algumas inclusive sem custo, porém a maioria peca por adicionar complexidade desnecessária no processo de vendas do pequeno negócio, desencorajando a adesão.

Foi pensando nestas dificuldades que desenvolvi o Venda e Controle – um software simples e objetivo que tem como função propiciar o correto controle de suas vendas de maneira prática e eficiente.

Então, vai continuar anotando as vendas em um bloquinho? Usar aquela planilha? Evolua e facilite o caminho de crescimento de seu negócio!

Entre em contato comigo e vamos agendar uma conversa.

Renan Viegas
contato@renanviegas.com.br
Celular: (21) 98374-8413

Todos vendem comida!

O que faz um restaurante, food truck ou coletivo gastronômico ter mais sucesso do que outros?

Muitas vezes, desde fast foods até refinados restaurantes, os ingredientes são iguais ou bem similares. Alguns fornecedores são até os mesmos! Então, onde está a diferença?

Vender comida é muito mais do que vender comida.

Quando um cliente busca uma refeição, ele está buscando mais que o simples produto, ele busca uma nova experiência, do atendimento a embalagem, do sorriso no rosto do atendente ao programa de fidelidade.

Tudo isto faz parte do pacote. O pacote experiência do consumo. Seja em uma praça de alimentação, em um restaurante ou em um evento gastronômico, é este pacote – chamado atendimento – que faz a diferença e que fará o consumidor se fidelizar a sua marca.

Por isto, quando você estiver pensando em vender comida, pense além da carne do hamburguer ou do feijão no prato, lembre-se que a experiência engloba um bom produto – sem dúvida, uma embalagem bacana, um sorriso no rosto e todo um planejamento.

A Um Publicidade pode ajudar no planejamento de seu negócio. Entre em contato comigo e vamos agendar uma conversa.

Renan Viegas
contato@renanviegas.com.br
Celular: (21) 98374-8413

Produtividade ou Improdutividade?

Oito horas da manhã. O celular vibra: é mais um grupo no WhatsApp para o qual você acaba de ser convidado. Sair do grupo já, não dá. Pega mal. Você então silencia por um ano. Porque se não silenciar, o telefone vai ficar tocando sem parar e você não vai saber quando é ou não pra olhar pra ver que tem uma mensagem importante.

Mesmo com o novo grupo silenciado, o telefone toca de novo, só que agora é o Telegram. Agora o Messenger do Facebook. Toca novamente, mas agora é o iMessage, uma mensagem do irmão. Você ia responder, mas pipocou outra mensagem, agora no Skype. Você ia responder, mas o Google Hangout apitou com uma mensagem de alguém do trabalho. Você ia responder, mas o telefone vibrou de novo. Agora o Slack, trocando mensagens com o cliente.

Você prefere mandar uma mensagem pelo WhatsApp porque ele diz que horas a pessoa esteve online pela última vez e ainda tem o tracinho azul pra você saber se ela leu. Mas dai ela não responde. Você tenta pelo Slack mas a bolinha verde indicando que se ela está online está apagada. Quem sabe mandar uma mensagem pelo Facebook? Também nada.

Será que tais ferramentas estão mesmo trazendo produtividade?